• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Quase um ano após morte de caçadores em reserva indígena no Pará, famílias cobram respostas


Manifestações se encerram na segunda-feira com homenagens no cemitério onde os homens foram enterrados. Jovens foram encontrados enterrados em cova rasa dentro da Terra Indígena Parakanã, em Novo Repartimento, em abril de 2022. Três jovens foram encontrados na Reserva Indígena Parakanã em abril de 2022
Divulgação
Familiares e amigos de Cosmo Ribeiro de Sousa, 29, José Luís da Silva, Teixeira, 24, e Willian Santos Câmara, 27, cobram responsabilização no caso dos trabalhadores encontrados mortos em 30 de abril de 2022, dentro da reserva indígena Parakanã, em Novo Repartimento, no sudeste do Pará.
Na época, o Ministério Público Federal (MPF) informou que os três homens teriam entrado na área para caçar. Os familiares negam e dizem que José Luís era pecuarista, Willian era motorista de caminhão boiadeiro e Cosmo, vaqueiro.
Para marcar um ano do caso, foi criado o movimento “Semana em Busca da Justiça” que terá atos como adesivaços, orações e homenagens às vítimas até a próxima segunda-feira (24), quando será realizada uma homenagem aos três jovens no cemitério onde foram enterrados.
O advogado criminalista de defesa das famílias, Cândido Júnior, explica que o movimento é uma maneira de chamar atenção das autoridades para que os responsáveis pelo triplo homicídio sejam responsabilizados.
“Está completando um ano deste caso e quem está na organização deste ato são as famílias, para que a data não passe em branco. A resposta que eles esperam da Justiça ainda não foi dada”, pontuou.
O g1 solicitou informações à Polícia Federal, responsável pelo inquérito, e à Polícia Civil a respeito do andamento do caso e aguarda o retorno.
Relembre o caso
Em 24 de abril de 2022, três homens desapareceram na área da Terra Indígena Parakanã, distante cerca de 30 km de Novo Repartimento.
O MPF informou que “moradores da região, armados, teriam ido até o território Parakanã para acusar os indígenas de serem responsáveis pelo desaparecimento”.
Já os parentes dos desaparecidos contaram que, durante as buscas, os familiares foram mantidos em cárcere privado pelo indígenas.
Leia mais:
Caçadores desaparecem em Terra Indígena de Novo Repartimento, no sudoeste do PA
Três corpos são encontrados na Reserva Indígena Parakanã, onde caçadores tinham desaparecido
No dia 30 de abril, três corpos foram encontrados na Reserva Indígena e foram velados na Câmara Municipal de Novo Repartimento. Na época dos crimes, a BR-230 foi interditada e houve agressões a indígenas na cidade.
A Federação dos Povos Indígenas do Pará (Fepipa) disse que indígenas da região estavam sofrendo ataques e sendo alvo de discurso de ódio.
Ainda em 2022, a Fundação Nacional do Índio (Funai) disse que “ao ser informada sobre o possível desaparecimento de caçadores na Terra Indígena Parakanã (PA), acionou os órgãos de segurança pública”.
Leia também: Indígenas sofrem ataques por redes sociais após caçadores serem encontrados mortos na terra Parakanã, diz Federação no PA
Veja outras notícias do Pará:

Adicionar aos favoritos o Link permanente.