• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

No Sudão, confrontos deixam mais de 180 mortos

Em Cartum, capital do país, já são três dias de combates entre facções militares rivais, tornando ainda mais difícil a transição da autocracia para um governo civil. Conflito entre exército e um grupo paramilitar, no Sudão, mata mais de 185 pessoas e deixa mais de 1.800 feridas
O conflito entre o exército do Sudão e um grupo paramilitar matou 185 pessoas e deixou mais de 1,8 mil feridas.
Em Cartum, capital do Sudão tem barulho de artilharia pesada. Já são três dias de combates entre facções militares rivais, tornando ainda mais difícil a transição da autocracia para um governo civil.
O aeroporto da capital foi foco de bombardeios, e a fumaça que saía de lá era vista de longe. Um viajante indiano relatou, nesta segunda-feira (17), ter visto estradas bloqueadas e disse que faltam alimentos.
Os confrontos, que também se espalharam para outras partes do país, são os primeiros na capital nas últimas décadas. De um lado está o exército leal ao general Abdel Fattah al-Burhan, chefe do Conselho do governo de Transição do Sudão. Do outro, o grupo paramilitar RSF, ou Força de Apoio Rápido, de Mohamed Hamdan Dagalo, que é vice-chefe do conselho.
Quatro anos atrás, os dois se uniram para derrubar o presidente Omar al-Bashir, que governou o país por 26 anos. Mas surgiram diferenças entre eles, principalmente quanto à integração entre as duas forças e a devolução do poder aos civis. Os dois lados concordaram com uma trégua humanitária para o socorro aos feridos, mas a pausa não durou muito.
O Conselho da Liga Árabe convocou uma reunião urgente. Os presidentes do Quênia, Sudão do Sul e Djibuti pretendem formar uma missão para reconciliar os grupos sudaneses. China, Estados Unidos, Arábia Saudita, União Europeia e a ONU também apelaram pelo fim imediato do conflito.
LEIA TAMBÉM
Entenda o conflito que eclodiu no Sudão
Grupo paramilitar do Sudão toma palácio presidencial, e conflitos armados se espalham pelo país
O Programa Mundial de Alimentos da ONU, com sede em Roma, anunciou que suspendeu temporariamente todas as operações em áreas atingidas pela fome no Sudão, depois que três funcionários sudaneses foram mortos nos combates, e que um avião foi atingido durante um tiroteio no aeroporto de Cartum.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.