• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Moradores de Samambaia, no DF, reclamam de ambulâncias abandonadas


TV Globo encontrou pelo menos dez veículos parados. Secretaria de Saúde nega falta de ambulâncias para atender população. Viaturas do Samu paradas em Samambaia, no DF, em imagem de arquivo
TV Globo/Reprodução
Moradores da Área de Desenvolvimento Econômico de Samambaia Sul, no Distrito Federal, reclamam que há ambulâncias abandonadas na região, enquanto hospitais estão sem veículos para prestar socorro (veja vídeo mais abaixo).
A TV Globo encontrou seis ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) paradas em frente a uma oficina em Samambaia. Dentro do local, um veículo estava no conserto. Os funcionários contaram que o responsável pela oficina não estava, e não quiseram passar mais informações.
Já no conjunto 3 da Área de Desenvolvimento Econômico, outras quatro ambulâncias ficam na calçada. Duas são do Samu, uma é do Ministério da Saúde e outra é do governo do Distrito Federal (GDF).
A Secretaria de Saúde informou que o DF tem 38 ambulâncias e uma reserva técnica de 50%. Disse ainda que tem 20 oficinas credenciadas para manutenção e consertos.
No caso de Samambaia, a pasta afirma que os carros ficam na frente da oficina durante o dia, e à noite, são levados para dentro do estabelecimento. A secretaria não respondeu sobre demora nos consertos e negou falta de ambulâncias para atender a população.
LEIA TAMBÉM:
CHAMADAS FALSAS: Samu recebe, em média, 43 ligações de trote por dia no DF
ATENDIMENTO AMPLIADO: UBSs vão funcionar até 22h em algumas regiões do DF
Por mensagem, o dono da oficina onde estão seis veículos disse que “não é só na loja dele” que há ambulâncias paradas. Ele afirma que o “processo é burocrático”.
Depois, por áudio, ele explicou que a rotatividade na oficina é alta.
“As vans lá não são as mesmas todo dia não, entendeu? Porque ali vem van de toda região. […] Esses carros, todo dia, tem que trocar óleo, trocar pastilha. Então, tem desgaste. Não é uma coisa que você arruma e vai ficar um ano sem dar problema”, disse.
Uma mulher, que preferiu não se identificar, é acompanhante de uma gestante internada no Hospital Materno Infantil (Hmib), na Asa Sul. Ela conta que as duas tiveram que esperar quase 24 horas para conseguir uma ambulância para levá-las do Hospital de Taguatinga para o Hmib.
VÍDEO: moradores do DF denunciam existência de várias ambulâncias paradas em oficinas
Moradores de Samambaia, no DF, reclamam de ambulâncias abandonadas na cidade
Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.

Bookmark the permalink.