• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

VÍDEO: Polícia divulga momento em que policial mata vizinho dentro de condomínio em Vitória


As imagens foram divulgadas pela Polícia Civil do Espírito Santo nesta segunda-feira (17). Polícia divulga momento em que policial mata vizinho dentro de condomínio em Vitória
Uma câmera de videomonitoramento do condomínio localizado em Jardim Camburi, Vitória, registraram o momento em que o soldado da Polícia Militar policial militar Polícia Militar Lucas Torrezani de Oliveira, de 28 anos, atirou e matou o vizinho Guilherme Rocha, de 37 anos, na madrugada desta segunda-feira (17) (veja vídeo acima). As imagens foram divulgadas pela Polícia Civil do estado.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Nas imagens é possível ver que Guilherme passa por uma porta e para na frente de Lucas com as mãos viradas para trás. Neste momento, é possível ver que Lucas tira uma arma da cintura. Um rapaz que estava sentado se levanta e fica ao lado de Lucas, os dois de frente para Guilherme.
As imagens mostram ainda que Lucas bateu com a arma em direção ao rosto de Guilherme, momento em que Guilherme parece tentar segura a arma e é empurrado pela rapaz que estava em pé ao lado de Lucas.
Logo em seguida, Guilherme já aparece cambaleando, em direção a parede e cai no chão. Lucas se aproxima dele com a arma, olha para Guilherme caído e toma mais um gole da bebida que estava no copo.
Soldado da PM, Lucas Torrezani, de 28 anos, matou vizinho com tiro em condomínio de Vitória
Reprodução/TV Gazeta
O policial militar Lucas chegou a ser levado para a delegacia após confessar o crime, mas foi ouvido e liberado pelo delegado, que afirmou, segundo a assessoria da Polícia Civil, “entender que não havia elementos suficientes para lavrar auto de prisão em flagrante”.
Às 16h26 desta segunda, Casagrande publicou que “é fundamental que a justiça seja feita e o responsável pelo ato seja punido”.
Initial plugin text
De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil Darcy Arruda, o militar foi liberado porque o delegado de polícia de plantão, no momento dos fatos, não teve informações suficientes para a alavratura da prisão em flagrante.
“Mas as diligências prosseguiram, e com novos depoimentos, com relatório feito pela DHPP e com as imagens que obtivemos, vimos que não houve legítima defesa. Aí então o delegado novamente retomou e pediu a prisão do autor. Estamos aguardando agora tão somente seu cumprimento”, disse o delegado.
Em nota, a Polícia Militar informou que “através de sua Corregedoria está acompanhando as apurações da DHPP referentes ao caso citado. As providências administrativas pertinentes na esfera militar serão adotadas”.
O crime
Guilherme Rocha, de 37 anos, era músico, bacharel em direito, capoeirista e empresário. Ele foi morto com um tiro no ombro que atravessou o peito pelo soldado da Polícia Militar Lucas Torrezani, de 28 anos, na madrugada desta segunda-feira (17), dentro de um condomínio em Jardim Camburi, Vitória.
O caso teria ocorrido por volta das 3 horas da madrugada, segundo o boletim da Polícia Militar, em um condomínio na avenida Augusto Emilio Estelita Lins. Ainda de acordo com o boletim, quando os PMs chegaram ao local, o militar estava com a arma nas mãos e a vítima caída no chão.
Guilherme Rocha, músico morto com tiro por PM em Vitória.
Reprodução/Redes sociais
LEIA TAMBÉM:
Quem era o homem morto por PM dentro de condomínio em Vitória
‘Em momento algum vítima reagiu’, diz síndica de condomínio onde PM matou vizinho com tiro em Vitória
PM mata vizinho com tiro durante briga em condomínio de Vitória
O PM contou aos policiais que estava bebendo com amigos perto da entrada do Bloco 1, onde a vítima morava, quando Guilherme teria o atacado e tentado desarmá-lo. Segundo informações de moradores à polícia, antes da discussão havia som alto no local.
O militar disse que reagiu e atirou uma vez com uma pistola .40 no vizinho. O tiro atingiu o ombro esquerdo da vítima, atravessou o peito do homem e ainda atingiu um carro que estava próximo. O próprio soldado teria ligado para a polícia e também para o Samu.
O boletim da PM diz ainda que o copo do militar ainda estava com bebida alcoólica e ele apresentava “odor etílico ao falar”. Segundo moradores, cinco ocorrências internas haviam sido registradas no condomínio em razão de desentendimentos recentes entre vítima e policial.
Moradores também contaram que antes do desentendimento havia som alto no local e que, geralmente, esse era o motivo das desavenças entre o policial e o vizinho.
Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo
Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo

Bookmark the permalink.