• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Mulher que denunciou 12 homens por estupro em festa de PMs e descobriu gravidez revela depressão; VÍDEO


Ela alegou ter interrompido a gestação no quarto mês. Polícia Civil investiga o caso e PM instaurou sindicância para apurar a participação de agentes no crime, que teria acontecido em Guarujá, SP. Mulher denuncia 12 homens por estupro em festa de PM’s em Guarujá
A mulher de 33 anos que alegou ter sido estuprada por 12 homens, sendo 11 policiais militares, disse em entrevista à TV Tribuna, afiliada da Globo, ter sofrido de depressão em decorrência da violência sexual sofrida em Guarujá, no litoral de São Paulo. Ela, inclusive, interrompeu uma gestação de quatro meses após descobrir que estava grávida.
✅Clique aqui para seguir o canal do g1 Santos no WhatsApp.
Segundo a mulher, o estupro ocorreu após ser dopada — ainda com momentos de consciência — em uma casa alugada por um grupo de PMs no bairro Balneário Praia do Pernambuco. Ela ainda disse ter recebido uma oferta de R$ 20 mil a R$ 30 mil para que não levasse o caso às autoridades. A PM instaurou uma sindicância para apurar a participação de agentes no crime de julho de 2023.
“O nervoso é muito grande, a gente fica com medo. A gente pensa: Meu Deus, o que vai acontecer agora?”, disse a mulher, que não terá a identidade divulgada.
À TV Tribuna, afiliada da Globo, a vítima contou que após o estupro só conseguia pensar nos filhos que, mesmo sem saberem o que estava acontecendo, a deram forças para enfrentar a depressão.
“Na minha cabeça não queria saber se eu tinha contraído alguma doença […]. Gravidez eu descartava porque tenho esse problema de retardo da menstruação, então não tenho ovulação”, disse ela que descobriu a gestação meses após o estupro.
Por conta da gravidez, resolveu registrar um Boletim de Ocorrência para que pudesse fazer o aborto de forma legal em um hospital na capital paulista. “Perguntaram [na delegacia] se eu sabia ou não quem foi. Eu falei que sim, mas não falei o nome de ninguém porque não queria levar isso adiante”.
Leia também:
ENTENDA: O que se sabe sobre o caso da mulher que denunciou 12 homens por estupro e ficou grávida em festa de PMs
GESTAÇÃO INTERROMPIDA: Mulher que denunciou 12 homens por estupro em festa de PMs no litoral de SP ficou grávida após abusos e interrompeu gestação
ESTUPRO: Mulher denuncia 12 homens por estupro em festa de PMs em Guarujá
Entenda o caso
Mulher que denunciou 12 homens por estupro em festa de PMs, em Guarujá, relata depressão após descobrir abuso
Reprodução/TV Tribuna
A mulher contou ter sido convidada para a festa com aproximadamente 20 pessoas, a maioria de homens, junto com uma amiga. Ela acredita ter sido ‘dopada’ enquanto ingeria bebidas alcoólicas no local.
A vítima afirmou que, inicialmente, teve uma relação consensual com um dos integrantes da festa em um quarto no imóvel. Ela complementou que, após “apagar” no cômodo, os demais a estupraram.
Os detalhes sobre o estupro, além dos que ela se recorda, foram contados por um amigo que também estava na festa e disse ter sido o responsável por “interromper” os abusos.
Ele teria dito à vítima que entrou no quarto e conversou com os demais sobre o crime. No entanto, apesar da versão dele, a mulher acredita que o homem seja o 12º estuprador, o único que não é PM.
Gravidez interrompida
Mulher que denunciou estupro em festa de PMs ficou grávida após abusos e interrompeu gestação
Arquivo Pessoal
A mulher revelou ao g1 que já é mãe de duas crianças. Ela acrescentou que não poderia aproveitar a expectativa pelo nascimento do bebê, porque não foi fruto de uma relação sexual consensual.
“Sabe quando você está grávida, seja casada ou namorando, e começa a pensar: ‘Será que vai nascer com o olhinho do pai ou da mãe?’. Eu não tive essa vontade”, disse.
Secretaria de Segurança de SP
A Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo (SSP-SP) informou, em nota, que a Polícia Civil investiga o caso de “estupro de vulnerável” denunciado pela mulher.
Segundo a SSP-SP, foram requisitados exames sexológico e médico para a vítima. O caso foi registrado por ela na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) da capital paulista e encaminhado para a DDM de Guarujá, que segue as investigações.
“Diante da gravidade da denúncia, a Polícia Militar informa que instaurou uma sindicância para apurar a participação de policiais militares no crime”, complementou a SSP.
VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos

Adicionar aos favoritos o Link permanente.