• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Grupo suspeito fornecer sementes de maconha para traficantes brasileiros é alvo de operação no DF e MG


Vendas eram feitas pela internet, com divulgação pelas redes sociais, segundo Polícia Civil. Investigadores cumprem oito mandados de busca e apreensão e quatro de prisão. Pacote com sementes de maconha é interceptado por polícia nos Correios
A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta terça-feira (27), uma operação contra um grupo suspeito de fornecer diferentes espécies de sementes de maconha para traficantes brasileiros.
✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 DF no WhatsApp.
Os policiais cumprem oito mandados de busca e apreensão e quatro de prisão. Até a última atualização desta reportagem, seis pessoas foram presas. A ação ocorre em diversas regiões da capital e de Governador Valadares, em Minas Gerais.
Segundo a investigação, as diferentes espécies de maconha eram distribuídas em todo país. As vendas eram feitas pela internet, de acordo com a Polícia Civil. Além disso, os suspeitos usavam as redes sociais para divulgar a venda das drogas.
Os policiais informaram que os suspeitos tinham uma “grande estrutura de plantio” da maconha para a extração das sementes. Os investigadores disseram ainda que, algumas delas, tinham grande teor de THC, com potencial de causar overdose nos usuários.
Lavagem de dinheiro.
Polícia apreende sementes de maconha vendidas por grupo suspeito de esquema criminoso no DF
PCDF/Reprodução
Os policiais identificaram que os suspeitos praticavam lavagem de dinheiro para ocultar os lucros com o tráfico. A suspeita é de que milhares de sementes eram vendidas mensalmente.
“O empreendimento criminoso cometeu também graves crimes ambientais com a disseminação de espécies exóticas que podem comprometer o meio ambiente e o agronegócio, além de desrespeitar regras legais que disciplinam a produção e distribuição de sementes”, informou a Polícia Civil.
A operação, batizada de Breeder, é conduzida pela Coordenação de Repressão às Drogas (COD). Por causa dos crimes cometidos, os suspeitos podem ser condenados a até 52 anos de prisão, segundo a investigação.
LEIA TAMBÉM:
VÍDEO: ‘Acho que ele voltou’, diz PM ao salvar vida de bebê engasgado
DECISÃO: STF nega pedido de Ibaneis para arquivar investigação sobre suposta omissão do governador nos atos de 8 de janeiro
Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.