• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Gravar a própria demissão para postar no TikTok vira moda, mas exige cuidados e pode ter consequências para o funcionário


A trend de compartilhar vídeos do momento em que se é demitido ganha cada vez mais adeptos na rede social. Mas transformar demissão em conteúdo pode trazer consequências para o profissional. Usuários do TikTok compartilham o momento em que são dispensados de seus trabalhos
Uma moda um tanto inusitada virou trend (viralizou) recentemente nas redes sociais, especialmente no TikTok. São vídeos de usuários filmando o momento em que são dispensados de seus trabalhos, normalmente em uma reunião online.
As gravações mostram detalhes de um momento que, até então, a maioria das pessoas não costumava compartilhar com ninguém. Na maior parte dos casos, toda a conversa é filmada, mostrando apenas o rosto de quem está sendo demitido, nunca a tela do computador. Alguns debatem com representantes da empresa e até choram enquanto escutam sobre seu desligamento.
Apesar de ter virado moda, a trend pode trazer consequências para o funcionário, como reversão da demissão sem justa causa para demissão com justa causa ou até prejuízo na hora de procurar por novas vagas de emprego (leia mais abaixo).
📲 Febre no Tiktok
Brittany Pietsch registrou o momento em que foi demitida e publicou no TikTok
Reprodução / TikTok
A hashtag #layoffs (demissões) no TikTok já conta com milhares de vídeos. A usuária Brittany Pietsch foi uma das primeiras a viralizar após postar um vídeo no qual ela mostra a sua reação ao ser demitida da empresa em que trabalhava. O vídeo já tem mais de 20 milhões de visualizações na plataforma.
Muitos usuários da rede, inclusive, respondem nos comentários das publicações, relatando momentos parecidos, além de enviarem mensagens de apoio e suporte a quem passou pela situação.
A designer gráfica Alana Vetroni
Reprodução / Tiktok
A designer gráfica brasileira Alana Vetroni também entrou na trend. O vídeo da demissão dela já tem mais de 6 milhões de visualizações.
Ela conta que nunca tinha sido demitida e se sensibilizou após ver o vídeo da Brittany. Dias depois, quando foi chamada para uma reunião com a gestora e o RH, resolveu gravar. A jovem acreditava que poderia ser um momento de promoção, mas veio a surpresa da demissão.
“Naquele momento eu lembrei dela e pensei: ‘Eu sei o que está por vir’. Então eu estava pronta e encarei com maturidade”, diz Alana.
Alana afirma que em nenhum momento a intenção foi prejudicar a empresa, que não entrou em contato com ela depois da publicação. A ideia foi gerar uma identificação no público em relação a um momento difícil, assim como ela se identificou anteriormente vendo o vídeo da americana.
Depois da postagem, uma comunidade se formou nos comentários dos posts da Alana. “Eu, do outro lado da tela, amadureci, percebi padrões, vi histórias de muitas pessoas”, conta. A designer também comenta sobre a importância deste momento das redes sociais, que traz uma reflexão sobre a geração Z (nascidos entre 1995 e 2010) e o mercado de trabalho.
Nessa tendência também estão os vídeos de quem pede demissão. A hashtag #quittok (algo como demitir + TikTok) tem mais de 50 milhões de visualizações na plataforma, com vídeos em que os profissionais compartilham o momento em que dizem: “eu me demito” para seus chefes.
🚨Especialistas alertam
A advogada Ana Cristina Valentim comenta que hoje em dia é cada vez mais comum os empregados gravarem as reuniões das quais eles participam, mas que essas gravações podem ter consequências, principalmente no caso de demissão.
“Aqui no Brasil, uma vez feita essa publicação, isso pode acarretar a reversão da demissão sem justa causa por justa causa, por exemplo”, diz a advogada.
Ela explica que a empresa também pode adotar outras medidas, inclusive judiciais, para ser indenizada pelo dano causado. “Tudo vai depender da forma como é feita a filmagem, como é feito o desligamento, a forma como isso é divulgado”, diz Ana.
O g1 conversou também com o consultor em recrutamento de executivos Ricardo Haag, que alerta: filmar a própria demissão pode trazer consequências ruins na hora de procurar novas oportunidades profissionais.
“Isso tem consequências. É importante ter consciência de que essa exposição pode trazer desafios futuros para o profissional”, diz Ricardo.
Ele afirma que os empregadores e as empresas têm olhado com cada vez mais frequência como os candidatos se comportam além da sala de entrevista. Então, ter consciência na hora de postar alguma coisa é muito relevante, pois esse tipo de postagem pode não ser bem visto na hora de uma contratação.
LEIA TAMBÉM:
Tiktoker leva enxurrada de críticas por condenar jovem da geração Z que negou reunião de trabalho para ir à academia
Trabalhador é obrigado a gravar vídeos para o TikTok da empresa? Entenda o que diz a lei
‘Me demito’: o impacto do TikTok no mercado de trabalho
Como falar a real pro colega de trabalho sem ser grosseiro (ou demitido): tiktokers viralizam falando ‘corporativês’

Adicionar aos favoritos o Link permanente.