• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Acusações contra Moro: com novo juiz do TRE-PR definido, entenda próximas etapas para julgamento de processos


Senador é acusado de abuso de poder econômico em ações que pedem cassação do mandato. Ele nega. Definição do julgamento só deve ocorrer quando novo juiz do TRE, José Rodrigo Sade, for empossado. Senador Sergio Moro (União)
Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
O anúncio da data de julgamento das Ações de Investigação Judicial Eleitoral (AIJEs) que pedem a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil) só deve ocorrer quando o novo juiz da Corte for empossado.
A informação é do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR).
✅ Siga o canal do g1 PR no WhatsApp
✅ Siga o canal do g1 PR no Telegram
Moro responde por abuso de poder econômico na pré-campanha eleitoral de 2022. Ele nega as acusações. Leia mais abaixo.
A vaga de juiz do TRE, que estava aberta na classe de advogado efetivo, foi preenchida por José Rodrigo Sade. O nome dele foi publicado no Diário Oficial da União após ser escolhido pelo presidente Lula (PT) a partir de uma lista tríplice apresentada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A data de posse do jurista, entretanto, ainda não foi anunciada.
Conforme o TRE, apenas após a posse de Sade é que o presidente da Corte, Sigurd Roberto Bengtsson, deve definir a data do julgamento de Moro.
Conforme o tribunal, a tendência é que o novo juiz participe do julgamento dos casos de Moro, que além dele, deve ter as seguintes participações:
Desembargador Sigurd Roberto Bengtsson – presidente;
Desembargador Luciano Carrasco Falavinha Souza – relator dos processos de Moro;
Desembargadora Claudia Cristina Cristofani – juíza federal efetiva;
Doutor Anderson Ricardo Fogaça – juiz de direito efetivo;
Doutor Guilherme Frederico Hernandes Denz – juiz de direito efetivo;
Doutor Julio Jacob Junior – classe de advogado efetivo.
Leia também:
Investigação: Médicos são indiciados por homicídio de paciente que morreu em atendimento
Crime sexual: Homem é preso por suspeita de estuprar a mãe idosa
De novo: Suspeito preso em perseguição já foi detido pelo mesmo policial e pelo mesmo crime
Julgamento de Moro foi suspenso no início de fevereiro
Julgamento que pode cassar mandato do senador Sergio Moro ‘fica suspenso’
O julgamento de Moro, que estava marcado para 8 de fevereiro, teve data suspensa pelo novo presidente do TRE em 1º de fevereiro.
O anúncio foi feito na solenidade de posse de Bengtsson, sob o argumento de que ainda era necessário definir o novo membro da Corte – o que agora está concretizado.
O julgamento ficou em suspenso pouco após o próprio TRE antecipar o julgamento de Moro. A primeira data prevista de julgamento era 19 de fevereiro.
Os processos de Moro
Sergio Moro é alvo de duas AIJEs que apontam abuso de poder econômico, caixa dois e utilização indevida de meios de comunicação social durante a pré-campanha eleitoral de 2022.
Os processos, que são analisados em conjunto, também pedem a cassação do mandato do parlamentar.
As duas ações foram protocoladas por duas frentes antagônicas na política nacional. A primeira pelo pelo Partido Liberal (PL), de base bolsonarista, e a outra pela Federação Brasil da Esperança – FÉ BRASIL (PT/PCdoB/PV), base que elegeu o governo Lula.
Os protocolos foram feitos em novembro e dezembro de 2022, pouco após as eleições.
Em dezembro de 2023, Moro falou, em depoimento ao TRE-PR, que não obteve vantagem eleitoral e nega a acusação de desequilíbrio eleitoral causado por irregular pré-campanha ao cargo de presidente da República.
Quando o julgamento for marcado, seis desembargadores participarão da sessão, que pode durar mais de um dia. Todos votam e, em caso de empate, o presidente da Corte também vota.
VÍDEOS: Mais assistidos do g1 Paraná
Leia mais notícias no g1 Paraná.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.