Chance de retorno do El Niño em 2023 sobe para quase 90%, estima agência dos EUA


Segundo a NOAA, a taxa é válida para o trimestre de novembro de 2023 a janeiro de 2024. Fenômeno intensifica as chuvas no Sul do país, mas traz um tempo mais seco para o Norte e Nordeste.
Marcos Serra Lima/g1
A Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA) dos Estados Unidos emitiu uma nota nesta quinta-feira (13) prevendo uma chance de quase 90% de retorno do fenômeno climático conhecido como El Niño ainda este ano.
Segundo a NOAA, a taxa é válida para o trimestre de novembro de 2023 a janeiro de 2024.
Já a probabilidade de o fenômeno voltar nos próximos meses é menor: cerca de 62% durante maio a julho. O número é parecido com as estimativas da Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência especializada das Nações Unidas (ONU).
Segundo a OMM, há uma probabilidade de 35% do fenômeno voltar já agora entre maio e julho, e de 55% entre junho e agosto.
🌧️ Mas qual a importância disso? O El Niño é causado por uma desaceleração dos ventos alísios, que sopram na direção oeste perto do equador. Na falta de algo que transporte o calor na direção do Índico, as águas do Pacífico ficam cozinhando ao sol, sem se moverem muito, e acabam mais quentes.
Com isso, as regiões Norte e Nordeste tendem a ficar menos chuvosas durante a ocorrência do El Niño, enquanto as chuvas ficam mais frequentes no Sul.
Outra característica do fenômeno no Brasil é deixar as temperaturas mais quentes no inverno no Sudeste e na segunda metade do ano no Centro-Oeste.
LEIA TAMBÉM: Do cafezinho ao etanol: como El Niño pode afetar Brasil em 2023

Adicionar aos favoritos o Link permanente.