Órgão de privacidade da União Europeia cria força-tarefa para discutir ChatGPT


Conselho Europeu de Proteção de Dados, que reúne autoridades nacionais, vai promover troca de informações sobre o robô entre os países-membros. Medida pode levar à criação de uma política comum de regras sobre inteligência artificial. Chatbot ChatGPT
Florence Lo/ Reuters
O órgão da União Europeia que reúne autoridades nacionais de privacidade anunciou nesta quinta-feira (13) que criou uma força-tarefa para tratar do robô ChatGPT. A medida pode ser o primeiro passo para o bloco criar uma política comum de regras de privacidade para a inteligência artificial.
O Conselho Europeu de Proteção de Dados (EDPB, na sigla em inglês) afirmou que os países-membros discutiram a decisão da Itália de banir o ChatGPT até que ele se enquadre na lei de proteção de dados da União Europeia.
“O EDPB decidiu lançar uma força-tarefa dedicada para promover a cooperação e a troca de informações sobre possíveis ações conduzidas pelas autoridades de proteção de dados”, afirmou o grupo.
A criação da força-tarefa acontece após o robô entrar na mira de vários países:
No início de abril, o Comissário para Proteção de Dados da Alemanha Ulrich Kelber afirmou que o país poderia seguir a Itália e banir o ChatGPT;
Na terça-feira (11), o governo dos EUA anunciou uma consulta pública para avaliar possíveis medidas de responsabilização para sistemas de inteligência artificial pelo possível impacto que eles trazem à segurança nacional e à educação.
No mesmo dia, a Autoridade Francesa para Proteção de Dados (CNIL) informou que estava investigando a suspeita de o robô ter violado regras de privacidade;
Nesta quinta-feira (13), a Associação Espanhola de Proteção de Dados pediu para o EDPB avaliar os riscos de privacidade do ChatGPT e abriu sua própria investigação a respeito de possíveis violações da ferramenta.
O ChatGPT atraiu a atenção nos últimos meses com a capacidade de ter resposta para quase tudo. O serviço teve o crescimento mais rápido da história ao alcançar mais de 100 milhões de usuários ativos mensais.
Uma fonte de um órgão de vigilância nacional, que pediu para não ser identificada porque não estava autorizada a falar com a imprensa, disse que os países-membros do EDBP esperam alinhar suas posições políticas, mas que isso levará tempo.
A fonte disse que os integrantes do grupo não estão buscando punir ou criar regras que afetem a OpenAI, dona do ChatGPT e apoiada pela Microsoft, mas sim criar políticas gerais que “sejam transparentes”.
O EDPB é um órgão independente que supervisiona as regras de proteção de dados na União Europeia e é composto por unidades nacionais de vigilância para proteção de dados. A organização não pôde ser imediatamente contatada para comentar.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.