Vídeo mostra policiais em helicóptero e canoas durante caçada por suspeitos de aterrorizar MT e fugir para o Tocantins


Há quatro dias, policiais de quatro estados fazem força-tarefa para encontrar criminosos na Ilha do Bananal. Até esta quinta-feira (13), dois suspeitos foram mortos e um, preso, durante confrontos. Vídeo mostra policiais durante buscas por suspeitos de aterrorizar Confresa (MT)
Vídeos mostram policiais sobrevoando a Ilha do Bananal em helicóptero e percorrendo rios em canoas, durante caçada por criminosos que fugiram para o Tocantins. (Veja acima) Acredita-se que eles sejam os mesmos que aterrorizam Confresa (MT) no último domingo (9), atacaram o batalhão da PM e atearam fogo em uma empresa de transporte de valores.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Os suspeitos entraram no Tocantins em barcos, pelos rios Araguaia e Javaés. Na zona rural de Pium, fizeram uma família refém, roubaram veículos e entraram em confronto com policiais. Dois suspeitos foram mortos e um, preso. Eles já foram identificados. (Veja abaixo)
Veja aqui o cronograma, desde o ataque em Confresa, até a operação montada por policiais de quatro estados para encontrar o grupo.
Nas imagens acima, algumas publicadas nas redes sociais e outras repassadas pela Polícia Militar do Mato Grosso ao g1, é possível ver policiais em várias canoas atravessando rios na maior ilha fluvial do mundo.
Pelo vídeo, é possível ter que a ilha é extensa, cercada por vegetação nativa e uma mata fechada, o que dificulta ainda mais o trabalho da equipe.
Policiais percorrem rios em canoas durante caçada por suspeitos de aterrorizar Confresa (MT) e fugir para o Tocantins
Reprodução
As buscas são feitas também por terra, onde vários veículos percorrem estradas, algumas alagadas, na tentativa de localizar o grupo.
A Ilha do Bananal é a maior ilha fluvial do mundo, cerca de vinte mil quilômetros quadrados de área cercada pelos rios Araguaia e Javaés. A ilha localiza-se no estado do Tocantins, estando subdividida entre os municípios de Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão e Pium.
Segundo a PM, as equipes estão dispostas em locais estratégicos e realizam o cerco na zona rural de Pium e região. A ação conta com o apoio da Polícia Civil do Tocantins, Polícia Federal e as polícias do Mato Grosso, Goiás e Pará.
LEIA MAIS:
Turistas resgatados, família refém, suspeitos mortos: a cronologia da operação para prender grupo que teria atacado MT e fugido para o Tocantins
Polícia encontra canoa com marcas de tiros, alimentos e até chinelo deixados por grupo que aterrorizou Confresa (MT) e fugiu para o TO
Criminoso preso em cerco policial fez funcionário de fazenda refém dentro de carro, diz polícia
Cerco a criminosos suspeitos de atacar cidade em Mato Grosso entra no terceiro dia na zona rural do Tocantins
Em terceiro dia de perseguição no Tocantins, suspeito de ataque a cidade de Mato Grosso é morto em confronto com a PM
Policiais do Tocantins entram em confronto com grupo suspeito de atacar cidade em Mato Grosso
Policiais percorrem Ilha do Bananal em helicópteros durante buscas na Ilha do Bananal
Reprodução
Mortos em confronto
Rafael Ferreira e Raul Yuri morreram em confronto, e Paulo Sérgio Alberto de Lima está preso
Divulgação
Nesta quarta-feira (12), Polícia Militar do Tocantins e de Mato Grosso identificaram três dos integrantes da quadrilha. Eles são Rafael Ferreira Pinto, de 34 anos, e Raul Yuri de Jesus Rodrigues, de 28 anos, que morreram em confronto, e Paulo Sérgio Alberto de Lima, de 48 anos, que foi preso após fazer o funcionário de uma fazenda refém.
Ainda não há informações sobre a quantidade de pessoas que fazem parte da organização. Após o primeiro embate com policiais tocantinenses, o grupo teria se dividido.
Rafael foi morto na segunda-feira (10), dia em que os criminosos chegaram ao Tocantins, através do rio Javaés, perto de Pium. Raul Yuri também trocou tiros com as forças de segurança e morreu nesta quarta-feira (12). Os corpos ainda estão no IML de Paraíso do Tocantins.
Força-tarefa
Policiais sobrevoam a Ilha do Bananal, no Tocantins
Divulgação/PM Mato Grosso
A perseguição começou no domingo (9) quando criminosos atacaram a cidade de Confresa, no Mato Grosso. Segundo a polícia, o grupo faz parte de uma quadrilha do ‘novo cangaço’. Fortemente armados, eles atiraram contra a base da PM, incendiaram pneus e tentaram assaltar uma empresa de valores, a Brinks.
A ação conta com forças policiais do Tocantins, Mato Grosso, Goiás e Pará. Minas Gerais enviou uma aeronave para ajudar nas buscas. Uma base foi montada na sede da fazenda Agrojan.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.