Cannes tem Karim Aïnouz, nomes consagrados e recorde de diretoras na disputa pela Palma de Ouro


Diretor brasileiro, Wes Anderson, Ken Loach e Wim Wenders disputarão o principal prêmio do festival francês. Evento acontece entre os dias 16 e 27 de maio. Palma de Ouro do Festival de Cannes
REUTERS/Gonzalo Fuentes
Estrelas de Hollywood e do cinema europeu, como Wes Anderson e Ken Loach, assim como seis diretoras, um recorde para o evento, disputarão a Palma de Ouro na 76ª edição do Festival de Cannes. A lista também inclui o filme mais recente do diretor brasileiro Karim Aïnouz, “Firebrand”.
Dezenove filmes disputarão o prêmio máximo, uma seleção que “vai misturar jovens diretores com veteranos, para recordar que na arte não há prazo de validade”, declarou o diretor geral do festival, Thierry Frémaux.
O americano Wes Anderson, o britânico Ken Loach e o alemão Wim Wenders, presenças constantes em Cannes, são os destaques na lista, que pode incluir no último minuto o americano Martin Scorsese, 80 anos, que exibirá “Killers of the Flower Moon”, com Leonardo di Caprio e Robert De Niro, em Cannes.
O filme, que narra uma série de assassinatos de indígenas nos anos 1920, foi anunciado há duas semanas e ainda pode integrar a mostra competitiva, segundo Frémaux.
“Firebrand”, o novo longa-metragem dirigido por Karim Aïnouz (“Madame Satã”, “O Céu de Suely” e “A Vida Invisível”, entre outros), narra o casamento do rei Henrique VIII com Catherine Parr e tem como protagonistas Alicia Vikander, Eddie Marsan e Jude Law.
E o português João Salaviza e a brasileira Renée Nader Messora exibirão “A Flor do Buriti” na mostra “Un Certain Regard”.
Além da mostra oficial, o festival promete várias estreias mundiais. Cannes selecionou seis diretoras para a mostra competitiva este ano, superando o recorde de cinco de 2022. A austríaca Jessica Hausner, a tunisiana Kaouther Ben Hania, as francesas Justine Triet e Catherine Breillat, a italiana Alice Rohrwacher e a senegalesa Ramata-Toulaye Sy disputarão a Palma de Ouro.
Indiana Jones e Johnny Depp
A cinco semanas do início do evento (16 a 27 de maio), Cannes já confirmou a estreia do quinto filme da série de Indiana Jones, a exibição de uma produção dirigida por Pedro Almodóvar e Johnny Depp no papel do rei Luís XV em “Jeanne Du Barry”, da diretora Maiwenn.
Harrison “Indiana Jones” Ford, 80 anos, receberá uma homenagem especial e Pedro Almódovar participará em um debate com o público após a exibição especial de seu média-metragem “Strange way of life”, uma peça ambientada no Velho Oeste e com temática gay.
O diretor será acompanhado pelos protagonistas do filme, o americano Ethan Hawke e chileno Pedro Pascal.
Entre as produções que serão exibidos na mostra ‘Cannes Premières’, criada recentemente dentro da seleção oficial do festival mas com filmes que não disputam a Palma de Ouro, está “Retratos Fantasmas”, do brasileiro Kleber Mendonça Filho.
Outros longas-metragens na mesma mostra são “Cerrar los ojos”, do veterano espanhol Víctor Erice (82 anos), e “Cobweb”, do sul-coreano Kim Jee-woon.
Cannes homenageia os veteranos, mas não deixa presente e o futuro do cinema mundial de lado.
“Para saber o que o cinema nos reserva nos próximos 10 a 20 anos, o evento acontece em maio em Cannes”, disse a presidente do festival, Iris Knobloch.
Pela primeira vez, Cannes exibirá um filme de Mongólia, “If only I could hibernate”, de Zoljargal Purevdash.
– Tapete vermelho -O tapete vermelho também terá as presenças de Julianne Moore e Natalie Portman, as protagonistas de “May/December”, de Todd Haynes).
A exibição do filme de Wes Anderson, “Asteroid City”, promete ser espectacular, com uma longa lista de estrelas: Tom Hanks, Margot Robbie, Scarlet Johansson, Steve Carellm entre outros.
O mercado de Cannes é o mais importante do mundo para o cinema, com mais de 12.500 visitantes credenciados e 4.000 projeções previstas em 33 locais da cidade.
O presidente do júri do festival este ano é o sueco Ruben Östlund, que venceu a Palma de Ouro no ano passado com “Triângulo da Tristeza”. Ele também venceu o festival com “The Square”, em 2017.
jz-es/zm

Adicionar aos favoritos o Link permanente.