Minuta da reforma da previdência dos servidores estaduais é concluída e enviada à Casa Civil


Proposta chegou a ser enviada para votação na Assembleia Legislativa em dezembro de 2022, mas depois de forte pressão, voltou para o Executivo. Sede do Igeprev em Palmas
Morgana Taíse/Governo do Tocantins
A minuta com alterações relacionadas à reforma da previdência dos servidores públicos do Tocantins foi encaminhada à Casa Civil na terça-feira (11). O tema tem causado diversas manifestações de sindicatos que representam a classe desde seu anúncio, em 2022.
A reforma previdenciária deveria ter sido implantada em 2019, seguindo determinação da Constituição Federal. A proposta de emenda constitucional chegou a ser enviada para votação na Assembleia Legislativa em dezembro de 2022, mas depois de forte pressão, voltou para o Executivo para revisão. Segundo o governo, foram feitas ‘mudanças mínimas’, para adequação às regras do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS).
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Um dos questionamentos dos sindicatos é com relação à idade mínima de aposentadoria e quanto ao teto que deverá ser estabelecido, que, a depender do caso, poderá ficar abaixo da remuneração. Esse limite do benefício deverá acompanhar a regra geral da previdência.
A minuta enviada à Casa Civil prevê que os homens poderão se aposentar com 65 anos e mulheres com 60, tendo pelo menos 25 anos de contribuição. Também deverá ter 10 anos no serviço público e, no mínimo, cinco anos no cargo em que se deu a aposentadoria. Na regra atual do estado, os servidores públicos do Tocantins se aposentam com 60 anos e as servidoras com 55 anos. O aumento nas idades não agradou os servidores.
Com relação ao benefício, o novo documento determina que o cálculo será de 60% da média de todas as remunerações mais 2% para cada ano que exceder os 20 anos de contribuição. Neste ano, o teto estabelecido pelo Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS), que deverá servir de base para a previdência estadual, o valor é de R$ 7.507,49. O teto também é motivo de questionamento pelos sindicatos.
Algumas categorias vão ter condições especiais na hora de se aposentar. A minuta prevê que a idade mínima para professores será de 55 e 60 anos para mulheres e homens, respectivamente. Policiais civis, penais e agentes socioeducativos terão idade mínima de 55 anos para homens e mulheres, mas precisam ter pelo menos 30 anos de contribuição previdenciária.
LEIA TAMBÉM:
Governador Wanderlei Barbosa envia proposta de reforma previdenciária para Assembleia
Após pressão de sindicatos, governador decide retirar PEC da reforma da previdência enviada à Assembleia Legislativa
Veja os pontos da proposta de reforma da previdência social dos servidores públicos do Tocantins
Sindicatos apresentam contraproposta da reforma da previdência estadual, que deve ser debatida em audiência pública
Outro ponto da reforma que está na minuta é a inclusão de regras relacionadas à idade para alguns casos específicos, como trabalho com periculosidade e pessoas com deficiência, por exemplo. No caso de servidores públicos que lidam com agentes nocivos à saúde, o pedido é que eles possam se aposentar aos 55 anos. Para pessoas com deficiência, a idade mínima para mulheres e homens será de 55 anos e 20 de contribuição se a deficiência for grave; 23 anos se for moderada; e 25 anos no caso de deficiência leve.
Conforme o governo estadual, a mudança vai ocorrer através de uma Emenda Constitucional, contendo as regras gerais, e uma Lei Complementar, com o detalhamento das regras permanentes e gerais da nova previdência, novas regras de aposentadoria e pensão por morte, forma de reajuste, fórmula de cálculo e estruturação das atividades do instituto. A aposentadoria por invalidez será tratada como aposentadoria por incapacidade permanente e é devida ao servidor que não puder se readaptar no próprio cargo.
Com as mudanças, o governo busca resolver um déficit de R$ 100 milhões mensais para garantir o pagamento de pensões e aposentadorias.
O g1 pediu um posicionamento do Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (Sisepe), sobre a conclusão da minuta, e aguarda posicionamento.
Em março, os sindicatos enviaram ao governo uma contraproposta sobre a reforma. Até o início deste mês, o Sisepe informou que ainda não havia recebido o posicionamento do Governo com relação aos pontos da reforma que poderiam sofrer alterações.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.