Polícia prende suspeito de matar sargento do Exército em frente à distribuidora de bebidas no ES


Jovem preso é Alessandro Viana Pereira, conhecido como “Orelha”, e faz parte do tráfico de drogas da região de Boa Vista II, em Vila Velha, na Grande Vitória. Sargento do Exército Gustavo Martins da Costa, morto a tiros em Vila Velha (ES)
Reprodução
Um dos suspeitos de matar o sargento do Exército Gustavo Martins da Costa, de 26 anos, na madrugada de sexta-feira (21), no bairro Boa Vista II, Vila Velha, Espírito Santo, foi preso pela polícia. O sargento foi morto a tiros em frente a uma distribuidora de bebidas. Na ocasião, o jovem Renan Mendes Botan, 26 anos, também foi baleado, mas morreu ao dar entrada num hospital.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Segundo a polícia, o jovem preso é Alessandro Viana Pereira, conhecido como “Orelha”, e faz parte do tráfico de drogas da região de Boa Vista II. O jovem preso teria ajudado a socorrer Renan até o hospital no dia do crime.
Conforme a ocorrência, Gustavo estava em frente à distribuidora, acompanhado da namorada, quando pessoas ligadas ao tráfico de drogas perceberam que ele estava armado e foram levar essa informação a traficantes.
Polícia prende suspeito de participação na morte de sargento em Vila Velha
Os criminosos, então, foram ao estabelecimento e cercaram o sargento, na tentativa de tomar a arma dele. No boletim de ocorrência consta que não dá para ter certeza se o sargento conseguiu efetuar algum disparo nesse momento, pois a imagem não é clara, mas diz que foi possível identificar quando o homem de 26 anos atira contra a vítima e, mesmo com o sargento caído no chão, outro homem chega a atirar em Gustavo novamente.
LEIA TAMBÉM:
Em apenas 6 horas, cinco pessoas são assassinadas na Grande Vitória
A arma de Gustavo foi roubada no momento do crime. Ainda conforme o registro da Polícia Civil, o jovem de 23 anos, que também foi baleado e chegou a ser socorrido e morreu, seria gerente do tráfico da região. Ainda não se sabe se quem atirou nele foi Gustavo, para se defender, ou os criminosos que cercaram a vítima.
Como a polícia chegou até “Orelha”
Na investigação, a polícia primeiro chegou ao nome de “Orelha” ao ir ao hospital verificar a morte de Renan, que tinha sido socorrido após ser baleado.
Diante disso, os policiais foram atrás de imagens de videomonitoramento na região para ajudar na identificação do rapaz envolvido. Foi assim que descobriram onde a mãe de Alessandro mora.
Os policiais começaram a monitorar o local. À tarde, viram o rapaz saindo da casa da mãe e o reconheceram. Os policiais fizeram a abordagem e ele teria dito que realmente estava no local onde o sargento morreu, mas entrou em detalhes.
Alessandro também contou que a roupa que usou no dia do crime estava na casa de sua mãe. Os policiais fizeram buscas e acharam as roupas. A polícia apreendeu as roupas e um celular. Diante disso, Alessandro foi conduzido para a divisão de homicídios de Vila Velha.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.