• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Águia-de-cabeça-branca tenta chocar pedra como ovo e vira ‘pai adotivo’ em santuário nos EUA


Murphy, uma águia-de-cabeça-branca de 31 anos que não pode mais voar, ficou um mês protegendo uma rocha em um ninho, como se fosse um ovo. Até que, finalmente, ele conseguiu ser pai ao adotar uma pequena águia de 14 dias que foi derrubada do ninho em uma tempestade. Murphy, a águia de 31 anos que chocou uma pedra como se fosse um ovo
World Bird Sanctuary/Reprodução
No dia 8 de março, trabalhadores de um santuário de aves em Missouri, nos Estados Unidos, perceberam que Murphy, uma águia-de-cabeça-branca de 31 anos de idade, estava chocando uma pedra como se fosse um ovo. Cuidadosamente, a ave abriu um pequeno buraco no chão para abrigar a pedra em uma espécie de ninho, protegido por folhas e galhos.
Ao longo dos dias, Murphy começou a ser visto com bastante frequência sentado no chão, protegendo a pequena rocha. Visitantes do local passaram a estranhar o comportamento da águia, achando que ela pudesse estar triste ou machucada. Mas Murphy estava apenas seguindo seus instintos paternais.
“Embora você fique triste porque o Murphy construiu um ninho está cuidando de uma rocha como um ovo, essa é apenas a sua resposta hormonal à primavera. Murphy não está triste, então você não precisa de estar”, escreveu o World Bird Sanctuary em uma rede social.
Um mês depois, o desejo de Murphy de ser pai se transformou em realidade. Isso porque a ave passou a cuidar de uma pequena águia que foi levada ao santuário após sobreviver, com apenas 14 dias de vida, à queda do ninho em uma tempestade.
Resgatado, o órfão filhote recebeu os cuidados humanos necessários, mas precisava de uma águia mais velha para ser sua tutora, antes de ser devolvida à natureza.
Foi aí que lembraram de Murphy.
Instinto paterno
O ninho feito por Murphy para proteger a pedra
World Bird Sanctuary/Reprodução
Murphy estava levando tão a sério a ideia de ser pai que passou a proteger a rocha e ser agressivo no espaço compartilhado com outras quatro águias. Por conta disso, ele foi transferido para um recinto individual – juntamente com a pedra.
No total, Murphy ficou um mês incubando a rocha. A pedra foi retirada dos cuidados do pássaro quando os criadores do santuário colocaram o filhote no mesmo recinto de Murphy. Em um primeiro momento, o bebê-águia ficou dentro de uma pequena gaiola para testar a reação da ave mais velha.
No dia 13 de abril, como um teste, os tratadores colocaram dois pratos de comida na frente de Murphy e do filhote: um com comida cortada em pedaços (apropriados para o filhote) e outro com um peixe inteiro (que só Murphy poderia comer). O pássaro mais velho, então, rasgou o peixe e alimentou o filhote. A reação surpreendeu positivamente os criadores do santuário.
O primeiro contato de Murphy com o bebê-águia
World Bird Sanctuary/Reprodução
Três dias depois, uma forte tempestade atingiu a área próxima ao local onde ficam as aves, e a pequena águia teve que levada de volta ao hospital após ser encontrada encharcada e com hipotermia.
Nesta segunda-feira (17), o filhote retornou aos cuidados de Murphy que, segundo o santuário, está aprendendo a ser pai pela primeira vez.
Murphy não consegue mais levantar voo por conta de uma lesão permanente em uma asa e, por isso, ficará sob cuidados do santuário para o resto da vida. Mas agora tem a chance de desenvolver seus instintos paternos e ensinar tudo o que sabe ao pequeno filhote.
Fãs que passaram a acompanhar a história de Murphy, a rocha e o filhote pelas redes sociais do santuário pediram para que o bebê fosse batizado de “Rocky”. Mas dizem nomear um pássaro que será devolvido à natureza dá má sorte. Então, ele é conhecido apenas como “águia 23-126”.
O filhote de águia resgatado com 14 dias após cair do ninho em uma tempestade
World Bird Sanctuary/Reprodução
LEIA TAMBÉM:
Mancha de Lixo do Pacífico vira ecossistema inesperado com reprodução de espécies costeiras em alto mar
Como relação sexual de insetos ajuda a prever tempestades
A triste história da orca Lolita, que vai retornar para o mar após 50 anos em cativeiro

Adicionar aos favoritos o Link permanente.