• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Campista está entre os brasileiros que tentam voltar ao Brasil após conflito no Sudão


Rodolpho Maia é natural de Campos dos Goytacazes, no Norte do RJ, e faz parte do Al-Merreikh, principal clube do país africano. Conflito armado já deixou mais de 200 mortos e cerca de 1,8 mil feridos. Rodolpho Maia é natural de Campos dos Goytacazes e atua no Al-Merreikh no Sudão
Arquivo pessoal/Rodolpho Maia
Um brasileiro natural de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, está enfrentando dificuldades para conseguir sair do Sudão, país no norte da África que vive um conflito armado.
O preparador físico Rodolpho Maia está no país africano junto com outros brasileiros, que fazem parte do time Al-Merreikh, principal clube do Sudão. Eles precisaram se trancar dentro do prédio onde moram por conta do conflito. Um dos brasileiros que também está com Rodolpho é o treinador Heron Ferreira, que já trabalhou no Americano Futebol Clube, da cidade campista.
Ao todo, nove brasileiros estão no grupo, sendo cinco da comissão técnica e quatro jogadores. São 6 pessoas do Rio de Janeiro, uma do Paraná, uma de São Paulo e uma de Minas Gerais.
Brasileiros de time de futebol no Sudão pedem ajuda para voltar: ‘Essa guerra não é nossa’, diz ex-Fla
Exército e paramilitares do Sudão anunciam cessar-fogo de 24 horas
Grupo de brasileiros que atuam em time do Sudão, antes da eclosão do conflito
Arquivo pessoal/ Paulo Sérgio
O campista está há cinco meses no clube, mas essa é a quinta temporada dele no Sudão.
No Brasil, Rodolpho começou a carreira no Americano, em Campos, e trabalhou no clube entre 2000 e 2001. Depois, retornou em 2004. Ainda no Norte do Rio, ele também atuou no Goytacaz em 2012.
Rodolpho contou que já começou a faltar alimentos no Sudão.
“Não podemos sair para comprar, mas embaixo do prédio possui um mercadinho onde estamos adquirindo os alimentos mas já não tem os itens básicos como pão, carne e ovo, além de água. As ruas estão desertas. […] Só peço que faça um apelo às autoridades brasileiras para que nos tire daqui”, disse Rodolpho ao g1.
Os combates que começaram há três dias entre o Exército e um grupo paramilitar do Sudão já deixou mais de 200 pessoas mortas. Outras 1,8 mil ficaram feridas.
TV registra explosão na capital do Sudão durante transmissão ao vivo
Resposta do Governo Brasileiro
Por meio de nota, o Ministério das Relações Exteriores afirmou ao g1 que está em contato com o grupo e outras 4 pessoas, totalizando um grupo de 12 brasileiros que vivem no Sudão. O governo afirma que está tentando ações de assistência conjunta com outros países, mas que depende das condições do local.
“O governo brasileiro tem mantido coordenação com outros países que também têm cidadãos em território sudanês sobre ações coordenadas de assistência, a serem eventualmente implementadas a partir do momento em que as condições de segurança permitirem”, afirmou o Itamaraty.

Bookmark the permalink.