• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Fundador do WikiLeaks, Assange deverá se declarar culpado em acordo que poderá livrá-lo da prisão


Fundador do WikiLeaks pode ser condenado a pena de até 175 anos de prisão caso seja mandado aos EUA. Assange é acusado de vazar 700 mil documentos confidenciais desde 2010 sobre as atividades militares e diplomáticas americanas, principalmente no Iraque e Afeganistão. 1º de maio: Fundador do Wikileaks, Julian Assange, mostra o punho em riste da janela de uma van ao chegar a um tribunal em Londres, antes de ser condenado a 50 semanas na prisão por não respeitar as condições de sua condicional em 2012, quando se refugiou na Embaixada do Equador para evitar a extradição para a Suécia
Daniel Leal-Olivas/AFP
O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, vai se declarar culpado em acusações de espionagem como parte de um acordo que poderá tirá-lo da prisão, segundo informaram promotores em documentos da Justiça dos Estados Unidos. O acordo deverá permitir que Assange volte a morar na Austrália, país do qual é cidadão.
✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp
Os EUA querem julgar Assange por vazar 700 mil documentos confidenciais desde 2010 sobre as atividades militares e diplomáticas americanas, principalmente no Iraque e Afeganistão. Ele poderia ser condenado a 175 anos de prisão caso fosse extraditado para os EUA.
Justiça do Reino Unido autoriza Julian Assange a recorrer de pedido de extradição aos EUA
Vazamento
Um dos materiais vazados por Assange era um vídeo que exibia soldados norte-americanos executando 18 civis de um helicóptero no Iraque. Outros exibiam os assassinatos de civis, entre eles jornalistas, e também abusos cometidos por autoridades dos EUA e outros países.
Como havia a revelação de identidades de pessoas que cooperavam com os militares no Oriente Médio, oficiais norte-americanos afirmaram que o vazamento colocava vidas em risco.
Em 2019, o Departamento de Justiça dos EUA descreveu os vazamentos do WikiLeaks como “um dos maiores vazamentos de informações confidenciais na história dos Estados Unidos”.
“Meu cliente está sendo processado por realizar uma prática jornalística comum, de obter e publicar informações confidenciais, informações verdadeiras e de interesse público evidente e importante”, afirmou o advogado de Assange, Edward Fitzgerald, no tribunal.
Clair Dobbin, advogada que representa os Estados Unidos, por sua vez, disse que Assange publicou nomes de pessoas que “atuaram como fontes de informação para os Estados Unidos”.
Em janeiro de 2021, um tribunal britânico rejeitou, em um primeiro momento, o pedido de extradição para os Estados Unidos. Porém, apelação americana fez com que, em dezembro de 2021, a Justiça britânica anulasse a primeira decisão e abrisse caminho para a extradição – até o julgamento desta semana.
No início de 2022, os EUA chegaram a ter um novo pedido de extradição negado pela justiça do Reino Unido que alegou existir um risco de Assange cometer suicídio.
Recurso contra extradição
O Tribunal Superior de Justiça de Londres autorizou nesta segunda-feira (20) que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, apresente recurso contra o pedido de extradição para os Estados Unidos.
Assange pode ser condenado a 175 anos de prisão nos Estados Unidos caso seja enviado ao país, do qual é cidadão. A Justiça dos EUA quer julgá-lo por vazar 700 mil documentos confidenciais desde 2010 sobre as atividades militares e diplomáticas americanas, principalmente no Iraque e Afeganistão.
A decisão desta segunda acontece semanas após os juízes britânicos pedirem mais informações ao governo norte-americano sobre o caso —e é considerada uma nova vitória para Assange.
Agora, sua defesa deve apresentar o recurso pedindo que ele não seja enviado aos EUA e que o julgamento ocorra no Reino Unido. O julgamento desse recurso é sua última chance de evitar a extradição.
Preso na Inglaterra
O fundador do WikiLeaks estava preso na Inglaterra desde 2019, após de passar sete anos confinado na embaixada do Equador em Londres, onde buscou refúgio para evitar a extradição por acusações de agressão sexual na Suécia, que mais tarde foram retiradas.
Antes do julgamento, a esposa de Assange fez um alerta sobre o estado de saúde frágil do australiano de 52 anos.
“A saúde dele está piorando, física e mentalmente. A vida dele corre perigo a cada dia que permanece na prisão e, se for extraditado, ele vai morrer”, afirmou Stella Assange no fim de maio.
Saiba quem é Julian Assange, fundador do WikiLeaks

Adicionar aos favoritos o Link permanente.