• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Lula diz que invasão da polícia do Equador à embaixada do México é ‘inaceitável’ e cobra pedido formal de desculpas

Policiais equatorianos invadiram embaixada em Quito no último dia 6 para prender ex-presidente Jorge Glas, condenado por corrupção. México quer suspensão do Equador na ONU. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez um discurso nesta terça-feira (16) com duras críticas à invasão da Embaixada do México em Quito, no Equador, por policiais armados equatorianos no início do mês.
“Medida dessa natureza nunca havia ocorrido, nem nos piores momentos de desunião e desentendimento registrados na América Latina e no Caribe. Nem mesmo nos sombrios tempos das ditaduras militares em nosso continente”, declarou Lula.
Lula discursou em uma cúpula virtual da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) convocada para debater o episódio.
O presidente brasileiro cobrou que o Equador peça desculpas formais ao México e que os países região atuem “para que episódios como este nunca mais voltem a ocorrer”.
“O que aconteceu em Quito, no último dia 5, é simplesmente inaceitável e não afeta só o México. Diz respeito a todos nós. Um pedido formal de desculpas por parte do Equador é um primeiro passo na direção correta”, disse.
O discurso do presidente não foi transmitido pelo governo brasileiro. O Palácio do Planalto divulgou uma transcrição da fala de Lula após o evento.
Lula já havia criticado a ação da polícia equatoriana durante conversa por telefone com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador. Na ocasião, Lula disse a Obrador que invasão da embaixada foi uma “grave ruptura do direito internacional”.
Invasão a embaixada
No dia 5 de abril, um grupo de policiais equatorianos foi até a embaixada do México, em Quito, para prender Jorge Glas, ex-vice-presidente do Equador condenado a seis anos de prisão por corrupção.
Glas recebeu asilo político do México e estava na embaixada desde dezembro 2023. Ele alega ser vítima de uma perseguição da Procuradoria-Geral do Equador.
De acordo com a Convenção de Viena sobre as Relações Diplomáticas, de 1961, os locais de missões de um país dentro de um outro — como embaixadas e consulados — são considerados invioláveis. Equador e México aderiram à regra na década de 1960.
Segundo o tratado, a entrada de agentes de estado dentro desses locais depende da autorização do chefe da missão estrangeira. Ou seja, no caso do Equador, a polícia deveria solicitar permissão ao embaixador mexicano para ingressar no local.
Após o episódio, o governo mexicano anunciou que suspendeu as relações diplomáticas com o Equador e retirou embaixadores. Também apresentou denúncia no Tribunal Internacional de Haia, pedindo que o país seja suspenso da ONU.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.