• New Page 1

    RSSFacebookYouTubeInstagramTwitterYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTubeYouTube  

Família denuncia que bebê sofreu quase 10 mordidas em creche da Zona Norte do Rio


Criança foi agredida em pelo menos dois dias diferentes. Na primeira vez, sofreu duas mordidas. E no mesmo dia que a mãe reclamou, ela sofreu as outras. Secretaria Municipal de Educação disse que abriu sindicância para investigar o caso. Queixa foi registrada na 27ª DP (Vicente de Carvalho). Menino ficou com marcas das mordidas na bochecha
Reprodução
A família de um bebê de 10 meses denunciou a Creche Esperança, que tem convênio com a Prefeitura do Rio, depois que o menino voltou com várias marcas de mordida para casa, nesta quarta-feira (28).
Valquíria Gomes contou que, na manhã de terça (27), foi até a unidade escolar, em Irajá, na Zona Norte do Rio, reclamar de duas mordidas que o menino tinha sofrido no dia anterior.
“Fui saber o que estava acontecendo porque já era a segunda vez. Assim que eu saí de lá, ligaram para o pai dele dizendo que ele tinha levado uma mordida no rosto, mas que não era nada demais”, relata ela.
O susto maior foi quando a irmã mais velha do menino foi buscá-lo na saída, na parte da tarde.
“O rosto dele estava super inchado e roxo com três mordidas. Tiramos a roupa dele e vimos diversas mordidas pelo corpo”, relembra ela.
Bebê teve 9 mordidas em creche do Rio
Arquivo pessoal
“A professora disse que isso aconteceu enquanto ela falava comigo de manhã. Eles alegam ter 2 ajudantes de professores com 15 crianças em sala, como não viram isso? Disseram que só viram as mordidas”, completa.
A família contou 9 mordidas no corpo da criança.
Um vídeo postado nas redes sociais da própria creche mostrava o garoto sentado no chão, chorando, enquanto uma professora ajudava outra criança a fazer uma pintura com tinta. Horas depois, a publicação foi apagada.
“Meu irmão chorando de soluçar, a professora do lado dele e outra gravando. Ninguém socorre ele. Se ele tivesse sido mordido nesse momento, como elas veriam? Apenas ignoraram ele”, lamenta a irmã Raphaella Rodrigues.
“Estamos sem chão, o que fizeram com ele foi horrível. Não queremos que isso aconteça com mais nenhuma criança”, completa.
Depois das mordidas, o menino não retornou para a creche. Ele deve ser transferido para outra unidade. A família pede que a transferência seja feita com celeridade, já que o bebê fica na creche para que os pais e a irmã possam trabalhar.
O caso foi registrado na 27ª DP (Vicente de Carvalho). A delegacia pediu exame de corpo de delito, que já foi feito. O menino precisou ainda passar por atendimento médico em uma Unidade de Pronto Atendimento.
Procurada, a Polícia Civil informou que os envolvidos vão prestar depoimento, e que os agentes procuram por imagens de segurança do local.
Já a Secretaria Municipal de Educação disse que abriu uma sindicância e iniciou os procedimentos de apuração da creche. A pasta informou ainda que os responsáveis pelo bebê e os representantes legais da unidade já foram ouvidos.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.