Hemorroidas: levar celular para o banheiro favorece o surgimento do problema, veja como evitar


O momento de alívio do intestino não deve se tornar uma pausa para checar as redes sociais por tempo indefinido, sob o risco de lesionar a região e causar sangramentos. Hemorroidas: ficar sentado no vaso olhando o celular é fator de risco
Hábitos só costumam ser repensados quando surge um sinal de que algo não vai bem. Prolongar indefinidamente as visitas ao banheiro é um costume que se encaixa neste padrão. Dor, sangramento ou incômodo, quando aparecem, são sintomas comuns das hemorroidas, um problema que pode ter relação com um padrão comportamental.
De acordo com Hélio Antônio Silva, coloproctologista titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, o modo como a evacuação acontece é a razão pela qual surgem a maioria das doenças na região.
Passar muito tempo sentado fazendo esforço, segurar quando a vontade vem e se limpar esfregando excessivamente o papel higiênico são os principais fatores de risco.
A proctologista Thaís Takahashi ressalta que os sintomas das hemorroidas são muito diversos, mas as pessoas tendem a procurar um médico com rapidez por se tratar de uma região muito sensível.
Sensação de peso na região e inchaço após ir ao banheiro, embora menos evidentes, também são sinais do problema.
Hemorroidas
Kayan Albertin/Arte g1
Além do uso inadequado do papel higiênico, também são fatores de risco:
levar o celular ao banheiro e passar mais de cinco minutos sentado;
fazer muita força para evacuar;
segurar a vontade de ir ao banheiro por muito tempo;
fazer musculação com altas cargas.
Se ao longo do seu dia você está lembrando que a sua região anal existe, procure ajuda, a regra é não lembrar.
Importante: sangramento na região anal também pode ser um dos sintomas de câncer de intestino e um médico sempre deve ser consultado.
O que são hemorroidas?
As hemorroidas são vasos internos, como “almofadinhas”, que se enchem de sangue quando há pressão na região. Nos casos em que o reto está sensibilizado, ocorre um sangramento ao fazer força.
Uma pessoa mais sensível desenvolve hemorroidas com gatilhos mais sutis, mas os hábitos de vida atuais favorecem o surgimento delas, uma vez que ficar sentado por longos períodos tentando evacuar faz parte da rotina de muitas pessoas.
Cuidados com a região
O ideal é lavar a região com uma ducha, usando papel higiênico apenas para secar.
Reprodução/Freepik
Tanto para quem já sofre com hemorroidas quanto para quem não tem esse problema, a orientação é a mesma: não esfregar demais o papel higiênico para se limpar.
Thaís diz que uma boa opção é usar lenços umedecidos para tirar o excesso, e o ideal é que se lave com água e sabonete para diminuir o atrito. Depois de passar o lenço, é preciso usar o papel para tirar a umidade. Por ser um local abafado, alergias podem surgir caso isso não seja feito.
Se você suja a mesa de trabalho, passa um produto para limpar. E a gente, logo numa área tão contaminada, passa um papelzinho e se sente satisfeito.
A médica ressalta que nem sempre isso é uma possibilidade, mas na maioria das idas ao banheiro em casa o procedimento de limpeza deveria envolver água e sabão.
Tratamentos
De acordo com ambos os médicos, a maioria dos casos não é cirúrgico. Em um primeiro momento, é preciso diferenciar se são casos agudos ou crônicos.
Agudo: é quando um evento pontual causa um problema. Por exemplo: um desarranjo intestinal provoca o aparecimento de uma hemorroida.
Crônico: quando há uma fissura ou sangramento recorrente. Por exemplo: pessoas que possuem intestino preso precisam ter esse fator gatilho tratado.
Para resolver a questão, a orientação mais recorrente é alterar algumas medidas comportamentais, como tomar mais líquido e comer mais fibras para melhorar a formação do bolo fecal.
Durante o período da inflamação podem ser prescritas pomadas, remédios orais e banhos de assento. A cirurgia, que não é a exceção, é feita em último caso é só quando as outras opções não deram resultado.
Veja também:
Preta Gil fala sobre tratamento contra câncer de intestino: ‘Não vou morrer disso’
Número de casos de câncer de intestino cresce no Brasil

Adicionar aos favoritos o Link permanente.