No Maranhão, cidades que ficaram alagadas enfrentam doenças causadas pela água contaminada

Equipes de saúde, bombeiros militares e civis seguem em canoas, de bote e até a pé para ajudar quem precisa de assistência após fortes chuvas. Cidades alagadas no MA agora combatem doenças provocadas por água contaminada
Cidades que ficaram alagadas no Maranhão agora enfrentam doenças causadas pela água contaminada.
O aposentado Valdemar Santos Ventura é diabético e hipertenso. Uma vez por semana, recebe a visita da equipe de saúde.
“A gente passou aqui na semana passada, a gente viu que a sua pressão estava alta. O senhor é hipertenso. A gente vai verificar como está a sua pressão hoje, está bom?”, diz uma enfermeira.
E nesta quarta-feira (12), continuava alterada. Sozinho em casa, nem sempre ele toma os remédios na hora certa.
“Estou tomando os medicamentos. Não sei se está bem. Não vou dizer que estou tomando todo em cima da hora, não”, conta Valdemar.
Samuel, de 6 meses, ainda não havia sido vacinado contra gripe.
“Porque está tudo alagado aqui, e a mãe não queria sair com o menino. Graças a Deus, a equipe veio aqui e fez a vacinação dele”, relata Lucas Lindoso, de 17 anos, irmão de Samuel.
“A gente está buscando essa população para estar dando uma melhor assistência, porque a gente sabe que eles, infelizmente, não conseguem ir aos postos mais próximos”, diz a enfermeira Mirian Alves dos Santos.
O mutirão mobiliza equipes de saúde, bombeiros militares e civis. E eles seguem em canoas, de bote e a pé.
“A gente tem que estar prestando essa assistência para que essas famílias não fiquem desassistidas”, diz a técnica em enfermagem Antônia Monteiro.
Além do atendimento da atenção básica, que as equipes trazem às famílias, a preocupação é, também, com os riscos à saúde que surgem em cenários de enchentes e alagamentos. O contato com essas águas contaminadas expõe as pessoas a vários tipos de doenças.
LEIA TAMBÉM
No Maranhão, acesso ao único município que permanecia isolado por causa das chuvas é reaberto
Chuvas no Maranhão: entenda a situação do estado que tem mais de 35 mil famílias afetadas pelas enchentes
O movimento no hospital aumentou. A dona de casa Rosinalda dos Santos Rocha mora em área alagada e chegou com sintomas que quase todo mundo na casa dela já teve: “Dor de cabeça, dor no corpo, febre”, conta.
“Tem aumentado bastante devido à exposição dos pacientes a água, às cheias. Então, isso faz com que aumente muito a procura, principalmente por situação de escabiose, doenças infecto parasitárias, algumas doenças fúngicas, reações alérgicas. Em casos mais raros, leptospirose”, explica o clínico geral Edson Plácido Silva.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.