MPPB ajuíza ação para que município do Conde crie Centro de Zoonoses


A ação também inclui que o município tome providências quanto aos cuidados relativos a 20 gatos, que estão sob a tutela de uma moradora. MPPB ajuíza ação para que município do Conde crie Centro de Zoonoses Municipal
Aline Costa/G1
O Ministério Público da Paraíba (MPPB) ajuizou uma ação civil pública contra o Município do Conde para que seja criado, no prazo de 180 dias, o Centro de Zoonoses Municipal, com estrutura para o recolhimento e tratamento dos animais existentes na cidade , além de adotar providências quanto aos cuidados relativos a 20 gatos, que estão sob a tutela de uma moradora.
O g1 entrou em contato com a Secretaria do Meio Ambiente do município, mas até a publicação desta matéria nenhum posicionamento sobre o caso havia sido enviado.
A ação é um desdobramento do Procedimento Administrativo Extrajudicial, instaurado na Promotoria de Justiça do Conde, a partir de reclamação formulada por uma moradora do município que solicitou a intervenção do MPPB para obrigar a prefeitura a arcar com as despesas geradas com a criação de 20 gatos ou, alternativamente, a providenciar o abrigamento deles, uma vez que ela já não tem mais condições financeiras para cuidar dos animais.
O fato levou a Promotoria a enviar ofícios ao secretário de Meio Ambiente do Conde, solicitando informações sobre a possibilidade de orientar a tutora e de subsidiá-la com alguma medida administrativa (como controle sanitário, castração, encaminhamento para abrigo etc) e ao presidente da Associação “Amigo de Patinhas”, para que orientasse a cuidadora.
Também foi realizada audiência com o secretário, que informou não haver Centro de Zoonoses no município e que se comprometeu a entrar em contato com outros municípios para resolver o problema. “Não obstante a reiteração de expedientes ao secretário de Meio Ambiente do Conde, fomentando a necessidade de realização da parceria com o Centro de Zoonoses de João Pessoa, nada foi objetivamente concretizado, motivando, assim, o ajuizamento da presente ação civil pública”, lamentou o promotor de Justiça.
Pedidos
O MPPB requereu que seja deferida a tutela de urgência para condenar o Município a promover a esterilização gratuita, a vacinação, a vermifugação e o tratamento de doenças dos animais (gatos e cachorros) sob a tutela da moradora que acionou a Promotoria de Justiça, assim como a recolhê-los em abrigo que ofereça condições de vida digna e promova a adoção responsável deles.
Requereu também a condenação do município à criação do Centro de Zoonoses Municipal, no prazo de 180 dias, com estrutura adequada inclusive para promover serviços de castração gratuita. Pediu ainda aplicação de multa diária, em caso de descumprimento.
Legislação
A ação está fundamentada na legislação ambiental, com destaque para o artigo 225 da Constituição Federal, que versa sobre o dever dos Municípios, Estados e da União em garantir um meio ambiente equilibrado. Também é norteada pelo artigo 30 da Constituição de 1988, que estabelece como competência dos Municípios a organização e prestação de serviços de interesse local.
“É interesse local, e por conseguinte competência municipal, o controle dos animais que habitam o município e a garantia do seu bem-estar e, sobretudo, da proteção da vida e saúde humana que podem ser lesadas ante eventuais doenças transmitidas pela fauna. Portanto, é competência do Município zelar do bem-estar animal e humano”, argumentou a promotoria.
Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Adicionar aos favoritos o Link permanente.