Descubra qual ave coloca ‘ovos de chocolate’


Coluna “Histórias Naturais” revela curiosidades sobre os ovos das aves brasileiras. Você conseguiria identificar uma espécie de ave através do ovo dela? A coluna “Histórias Naturais” desta semana mostra que as cores e tamanhos podem impressionar e até confundir. Do menor ao maior, do mais estratégico até um ovo que parece de chocolate.
Qual é a ave que bota ‘ovos de páscoa’?
Luis Vescia da Rosa/INaturalist (CC)
Além da tradição religiosa, a Páscoa é o momento em que as crianças mundo a fora são zoologicamente iludidas por adultos zoologicamente equivocados que dão a entender, sem o menor pingo de vergonha, que coelhos botam ovos. Me desculpem ser o biólogo “chato” portador de verdades inconvenientes, mas não! Coelhos não botam ovos, nem de chocolate. Mas existe uma ave brasileira que bota ovos chocolate e meu presente de Páscoa, um pouco atrasado, para as leitoras e leitores do “Histórias Naturais”, é uma cesta com cinco ovos de aves brasileiras recheados com curiosidades.
Ovos de emas chegam a pesar 600g
Clifton Morais/TV Anhanguera
O maior:
Mesmo que você talvez não tenha parado para pensar sobre isso, você provavelmente conseguiria acertar qual o maior ovo entre as aves brasileiras. Se você pensou o ovo da ema (Rhea americana), você está correto. Mas você tem ideia real do quão grande é o ovo de uma ema? Em média um ovo de ema tem cerca de 17cm de comprimento e 8cm de largura. Para você ter uma base de comparação, um ovo de galinha costuma ter cerca de 5,5cm de comprimento e 4 cm de largura.
Mas o que mais impressiona na comparação entre um ovo de ema e um ovo de galinha é o peso. Um ovo de ema pode facilmente atingir 600g, enquanto um ovo de galinha costuma pesar cerca de 50g. Ou seja, se você costuma calcular o ovo mexido do café da manhã usando um ovo por pessoa, um único ovo de ema daria um mexido de café da manhã para doze pessoas.
Ovos de beija-flores são os menores entre as aves
Ana Maria/VC no TG
O menor:
Assim como não é nenhuma surpresa o fato que a ema tem o maior ovo, a grande maioria das pessoas certamente responderia “beija-flor” se questionada sobre qual seria o menor ovo entre as aves brasileiras. Mas no Brasil existem 90 espécies de beija-flores, qual delas será a detentora do título de menor ovo?
Pelo que existe publicado até o momento na literatura científica, o menor ovo do Brasil seria do igualmente minúsculo rabo-branco-rubro (Phaethornis ruber), medindo impressionantes 1,1 cm de comprimento e 0,8 cm de largura. Seu rival nesta disputa acirrada, o topetinho-vermelho (Lophornis magnificus), é considerado por muitos o menor beija-flor do Brasil, e seus ovos medem 1,2cm por 0,8cm, praticamente um empate técnico.
Ovo do anu-branco é turquesa com detalhes “rendados” em branco
Brnt_ph/INaturalist (CC)
O artesão:
Eleger o ovo mais bonito entre as aves brasileiras seria um exercício de subjetividade, mas tem um que é inconfundível e parece ter sido obra de um talentoso artesão. Um ovo turquesa coberto por uma fina rede branca em alto relevo, assim é o ovo do anu-branco (Guira guira), que apresenta um padrão único não apenas entre as aves do Brasil, mas de todo o mundo.
Ainda não foram propostas hipóteses convincentes para explicar o motivo dos ovos do anu-branco serem tão diferentes, mas essa não é a única curiosidade associada com a sua reprodução. O anu-branco vive em bandos e é uma das únicas aves que se reproduzem em ninhos comunitários. Até sete fêmeas diferentes já foram registradas colocando ovos em um mesmo ninho, que somou 26 ovos. Quando os filhotes nascem, é tarefa de todo o bando alimentá-los.
Chupim nasce um dia antes dos verdadeiros filhotes do dono do ninho
Maiara Vissoto / VC no TG
O mestre dos disfarces
O chupim (Molothrus bonariensis) é uma das poucas espécies de aves brasileiras que não se preocupam em construir ninho, incubar ovos e cuidar dos filhotes. As fêmeas de chupim colocam seus ovos nos ninhos de outras espécies de aves e deixam todas as etapas seguintes da reprodução por conta dos pais adotivos, ou talvez fosse melhor chamar de pais enganados. Esse comportamento é chamado pelos ornitólogos de parasitismo reprodutivo.
Muitas aves desenvolveram estratégias para evitar a malandragem do chupim. Geralmente, a atenção para não cair no “golpe” começa já nos ovos. Um estudo demonstra que as fêmeas de chupim que colocam ovos pequenos têm dificuldades para enganar o joão-de-barro (Furnarius rufus), que mesmo na escuridão do seu ninho em formato de forno, consegue com base no tamanho perceber o ovo do impostor e joga-lo para fora. Já um outro estudo demonstrou que em uma mesma região da Argentina, os ovos de chupim colocados em ninhos de corruíra (Troglodytes musculus) e de sabiá-do-campo (Mimus saturninus) possuem forma e coloração diferente, o que indica que diferentes indivíduos de chupim podem ter ovos adaptados para parasitar espécies diferentes.
Codorna-amarela é a ave com ‘ovos de chocolate’
Berlartigau/INaturalist (CC)
O ovo de chocolate:
Para completar a nossa cesta de ovos das aves brasileiras recheados de curiosidades, eis o prometido ovo de chocolate… Apesar da cor, os ovos abaixo não são ovos de Páscoa, são da codorna-amarela (Nothura maculosa). As codornas fazem parte da família Tinamidae, onde estão outras aves de hábitos terrícolas como os inhambus, o macuco, a perdiz, entre outros. Os Tinamidae possuem em comum o fato de praticamente todas as espécies da família terem ovos com coloração muito chamativa.
Ovos com cores chamativas podem atrair predadores e a princípio podem parecer uma grande desvantagem, especialmente para aves que nidificam no solo. No entanto, os tinamídeos possuem um sistema reprodutivo diferente da maioria das aves. Nesse grupo, cada ninho é composto por ovos de várias fêmeas diferentes e cabe ao macho a responsabilidade de incubar os ovos e cuidar dos filhotes.
Um estudo indica que os ovos chamativos dos tinamídeos facilitam que outras fêmeas encontrem os ninhos e coloquem seus ovos. Um maior número de ovos faz com que o macho comece a chocar logo, escondendo e protegendo os ovos. Ou seja, nesse caso os ovos chocolate da codorna são um interessante paradoxo, apesar de chamativos acabam ajudando que eles se “camuflem” debaixo do macho. Outro estudo sugere que as diferentes cores dos ovos dos tinamídeos são para que as fêmeas de espécies diferentes que habitam um mesmo local consigam reconhecer o ninho da sua mesma espécie.
*Luciano Lima é biólogo e faz parte da equipe do Terra da Gente

Adicionar aos favoritos o Link permanente.