Criação do curso de Jornalismo no Oeste do Pará é discutido por Sinjor-PA e Ufopa


Após o encontro que aconteceu presencial e online, uma nota técnica será construída com dados sobre o curso. Um Grupo de Trabalho (GT) também será criado para tratar da demanda. Encontro discutiu a criação do curso de jornalismo no Oeste do Pará
Divulgação
Um encontro entre representantes do Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará (Sinjor-Pa) e a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) foi realizado na terça (11) em Santarém, no oeste do Pará para discutir a possibilidade de implantação do curso de Jornalismo na região.
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Participaram do encontro a reitora da UFOPA Aldenize Xavier; a vice-reitora Solange Ximenes; a diretoria executiva do Sinjor-PA Vito Gemaque (presidente), Rose Gomes (vice), Helena Saria (diretora) e os diretores da DRTap/ Sinjor-PA Alciane Ayres e Júlio César Antunes; as pesquisadoras e jornalistas Raimunda Monteiro e Jorgelene Santos; além dos jornalistas Gerlan Silva, Luena Barros e Josiane Freitas.
O objetivo do encontro foi discutir a possibilidade de implantação do curso, já que é um desejo antigo entre os moradores da região que não possuem condições financeiras de custear as despesas da graduação em instituições particulares.
Segundo a diretora geral da Diretoria Regional do Tapajós (DRTap) do Sinjor-PA, Alciane Ayres, entre os 22 municípios do oeste do Pará, abrangência da Diretoria, existem 9 municípios com filiados, totalizando-se 77 com registro profissional, sendo que 47 são diplomados e 30 não-diplomados.
“Santarém não vive sem o Jornalismo. Os jornalistas fazem parte da estrutura do município com base na formação exigida”, relatou a diretora da DRTap.
O presidente do Sinjor-PA, Vito Gemaque, destacou que é notável a grande demanda dos municípios do interior do Estado do Pará por graduação em Jornalismo, principalmente na região do Tapajós, onde há uma mídia profissional.
“Existem muitos profissionais que estão no mercado do trabalho e não possuem curso de Jornalismo. A criação de vagas na Ufopa vai suprir essa necessidade, além de melhorar a qualidade do jornalismo produzido na região e possibilitar a pesquisa sobre os desafios atuais na comunicação”, disse Vito.
A reitora da Ufopa, Aldenize Xavier, declarou apoio à proposta de criação dos cursos de comunicação e sugeriu a possibilidade de formação de uma grade comum de conhecimentos com a possibilidade dos estudantes se formarem e após mais um ou dois anos em outra habilitação do campo da Comunicação.
“Em 2019, vivemos uma grande crise no país, uma falha na comunicação que comprometeu a história do País. Não se pode considerar o que aconteceu no nosso país sem relacionar com a retirada da obrigatoriedade do diploma de jornalismo. Vivemos um risco por conta de fragilidades nas estruturas de comunicação, e essa grande mudança que foi sair dos meios de informações convencionais, que eram a TV e o rádio, para a internet. A reitoria dá total apoio a essa demanda totalmente justificada dos jornalistas, mas precisaremos elaborar o novo curso desapegado dos cursos que já criamos. O perfil criado para a Universidade Federal do Oeste do Pará foi para ser a frente do seu tempo”, ressaltou a reitora da Ufopa.
Próximos passos
Após o encontro, será construída uma “Nota técnica” com os dados imprescindíveis para a implantação do curso na região.
Em seguida, um Grupo de Trabalho (GT) será criado para ampla discussão e efetivação do projeto de criação do Bacharelado em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo na Ufopa, juntamente com outras habilitações.
Uma nota técnica e um Grupo de Trabalho será criado para tratar sobre a criação do curso
Divulgação
VÍDEOS: mais vistos do g1 Santarém e região

Adicionar aos favoritos o Link permanente.